As veias da cabeça podem ser subdivididas em veias do exterior da cabeça e veias da face

As Veias da Cabeça e da Face

As principais veias do exterior da cabeça e da face são: frontal, supraorbital, angular, facial anterior, temporal superficial, maxilar interna, facial posterior, auricular posterior e occipital.

As veias da cabeça e do pescoço – vista lateral.

A veia frontal começa na testa em um plexo venoso que se comunica com os ramos frontais da veia temporal superficial. As veias convergem para formar um único tronco, que corre para baixo, perto da linha média da testa. As duas veias são unidas, na raiz do nariz, por um ramo transversal, chamado arco nasal, que recebe algumas pequenas veias do dorso do nariz. Na raiz do nariz, as veias divergem e, cada uma no ângulo medial da órbita, une-se à veia supra-orbital, para formar a veia angular. Ocasionalmente, as veias frontais se juntam para formar um único tronco, que se bifurca na raiz do nariz nas duas veias angulares.

A veia facial anterior começa no lado da raiz do nariz e é uma continuação direta da veia angular. Ela fica atrás da artéria maxilar externa (facial) e segue um curso menos tortuoso. Ele corre obliquamente para baixo e para trás, abaixo do zigomático e na superfície do m. masseter, depois cruza o corpo da mandíbula e passa obliquamente para trás, abaixo do m. platisma. Ele se une à veia facial posterior para formar a veia facial comum, que atravessa a artéria carótida externa e entra na veia jugular interna em um ponto variável abaixo do osso hioide. A veia facial não tem válvulas e suas paredes não são tão flácidas quanto a maioria das veias superficiais.


A veia maxilar interna
é um tronco curto que acompanha a primeira parte da artéria maxilar interna. É formado por uma confluência das veias do plexo pterigoide e passa para trás entre o ligamento esfenomandibular e o colo da mandíbula e une-se à veia temporal para formar a veia facial posterior.

A veia facial posterior é formada pela união das veias superficiais temporais e maxilares internas, desce sobre a superfície da glândula parótida, superficial à artéria carótida externa, mas abaixo do nervo facial, entre a ramo da mandíbula e do m. esternocleidomastóideo.

A veia auricular posterior começa no lado da cabeça, em um plexo que se comunica com as tributárias das veias temporais occipital e superficial. Ele desce atrás da orelha e une a divisão posterior da veia facial posterior para formar a veia jugular externa.  A veia occipital começa em um plexo venoso na parte posterior do crânio. Desse plexo emerge um único vaso que perfura o m. trapézio e mergulha no triângulo suboccipital, onde então tributa nas profundezas das veias cervicais e vertebrais. Ocasionalmente segue o curso da artéria occipital e termina na veia jugular interna; em outras instâncias, une-se ao auricular posterior e, através dela, tributa na jugular externa.